Visões

Data 03/jun/2005

Século XXI. Ele vendo e vivendo sua fatia de vida moderna-pós-moderna instaurando o inusitado, o inaudito. Muita vez, ao mesmo tempo, não apenas decompondo o passado, mas também o sobrepondo. De tal sorte certos diálogos se estabelecem. Dos quais se insurgem os contrastes que a história em suas páginas feitas de tempo e espaço inscreve.
Uma fazenda. Não qualquer fazenda dessas de gado, pasto, lavouras (muito escassas já) e gente (escassa ainda mais). Tais quais as que são signos escritos nas páginas desta modernidade e pós. Fazendeiros quase todos feitos à Paulo Honório. Que se não tão obsessivamente reificadores de tudo e de todos, são determinados na consecução de avantajados lucros na expansão da condição de proprietários.
A rigor uma ex-fazenda. Uma fazenda fantasma, talvez. Pois que ali sua estrutura arquitetônica, claro: in made Europa, fora sendo preservada. Nada se modificara. E não tombada. O dono, sim, é que se mudara. A ela passou a construir um outro destino que não o de outrora. De outrora ali estão todos os prédios. Estão neles grande parte dos objetos. Os móveis puros mognos. Ali não estão mais os diretos responsáveis por sua montagem; os diretos responsáveis por seus grandes lucros e ganhos; os diretos responsáveis pelos grandes danos desconsiderados. Ali não estão mais os homens-força de trabalho – afroescravos e europeus migrados, envolvidos, ainda que talvez não misturados, na construção, manutenção e excedentes daquele proeminente patrimônio. Agora, estão todos misturados, sim, igualados em terra que os desigualavam, senhores e súditos. Que, o que a sociedade separa, a natureza amalgama.
Ficou uma fazenda museu. Digna das visitas excursionistas turísticas. Para esse fim, mantida pelo seu proprietário século XXI. Há, como todo patrimônio turístico que se valorize, um roteiro de percurso que se faz com a condução de um guia. Um desses, o próprio proprietário que com isso visivelmente se realiza. E os que ali vão o reverenciam, por essa contribuição à história social de nossa civilização, cujo custo grosso depende de seu bolso. Pois a fazenda não é, obviamente, exceto em arquitetura, mais aquela fazenda. Tampouco é fazenda destes séculos XX/XXI. É improdutiva e fantasmagórica.
Percorrendo-a a fundo, deixando-se levar pelas páginas da história prolatada por seu proprietário-guia, vai-se infiltrando naquele tempo século dezenove/vinte em que o café paulista era o precioso ouro sustentador de toda a corte brasílica. Fora uma fazenda-civil, que sua tecnologia, para um país semi-agrário, era muitos anos-luz de seus dias.
Sua estrutura espacial, modelarmente, é feudal. Seu funcionamento era de independência. Autobastava-se. Auto-abastecia-se. Quase nada se buscava fora. Coisa pouca: sal, alguns finos tecidos e calçados, bebidas da Europa.
No centro, os terreirões de café. Ali a produção exposta à secagem. Toneladas. Que, no ponto, iam à grande tulha, onde outros súditos dedicavam-se à descascação e embalagem. Enquadrando o terreirões, a casa-grande cetralizada e altiva, com seu alpendre; o terraço, sob o qual tudo ficava exposto à vista do dono. De fronte, mais longe, a igreja, também assentada na sua altivez. Os dois máximos poderes contíguos na zelação de seus contritos.
Fecha o círculo de uma a outra, de um lado, os locais de trabalho: oficina, serraria, serralheria, tulha, a casa das máquinas (a fazenda funcionava a energia a vapor). De outro, o escritório de administração, o grande armazém de mantimentos, a casa de diversão – uma espécie de cineatro, uma estrebaria em cujo fundo ficava o curral. Perpendicularmente ao primeiro semicírculo, vão enfileiradas as casas geminadas que abrigavam os empregados agregados à fazenda, às ordens do senhor, para cujas riquezas despendiam seu suor, emudeciam seus sonhos, desvaneciam seu futuro.
Ao visitante do presente do futuro que àqueles não pertenceu, ir e vir pelos assoalhos solitários do casarão, por seus porões de oca escuridão, por seus terreirões de café vazios, pela igreja com seus vestígios de catolicismo de requinte, a esse visitante o orgulho entusiástico do atual proprietário não deixava de ser um contributo à preservação da memória histórica. Ainda que se tratasse de uma história (afinal, a ela não cabe essa subjetividade) nada honrosa tanto a ele, proprietário daquele legado, quanto àqueles visitantes, herdeiros de uma cultura povoada de senhores, assenhoreados, riqueza e privações. Que, em verdade, tem tão-somente mudado em século.

Deixe uma resposta