Manoel de Barros

Manoel de Barros
Data 07/nov/1998

Publico hoje um pouco da poesia de Manoel de Barros. Poeta que, não obstante publique suas poesias desde 1937 (Poemas concebidos sem pecado – título do primeiro, somente a partir da publicação de O guardador de águas foi melhor observado e sua grande e original poesia foi descoberta pela crítica. O isólito, o estranhamento, a reelaboração sentido das palavras, o fragmentário imagético, a metalinguagem incessante, tudo muito impregnado de telúrico pantaneiro-universal (é matogrossense fazendeiro, residente em Campo Grande). Foi agraciado com o prêmio de poesia da última Bienal Nestlê pela sua obra Livro sobre nada, do qual transcrevo, para seu deleite, a 3a. parte que leva o mesmo título do da obra.

*
É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez
*
Tudo que não invento é falso.
*
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
*
Tem mais presença em mim o que me falta.
*
Melhor jeito que achei para me conhecer foi fazendo o contrário.
*
Sou muito preparado de conflitos.
*
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
*
O meu amanhecer vai ser de noite.
*
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
*
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
*
Meu avesso é mais visível do que um poste.
*
Sábio é o que adivinha.
*
Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
*
A inércia é o meu ato principal.
*
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
*
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
*
Estilo é um modelo anormal de expresão: é estigma.
*
Peixe não tem honras nem horizontes.
*
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
*
Eu queria ser lido pelas pedras.
*
As palavras me escondem sem cuidado.
*
Aonde eu não estou as palavras me acham.
*
Há histórias tão verdadeiras que às vezes parece que são inventadas.
*
Uma palavra abriu o roupão para mim. Ela deseja que eu a seja.
*
A terapia literária consiste em djesarrumar a linguagem a ponto que ela expresse nossos mais fundos desejos.
*
Quero a palavra que sirva na boca dos passarinhos.
*
Esta tarefa de cessar é que puxa minhas frase para antes de mim.
*
Ateu é uma pessoa capaz de provar cientificamente que não é nada. Só se
compara aos santos. Os santos querem ser os vermes de Deus.
*
Melhor para chegar a nada é descobrir a verdade.
*
O artista é um erro da natureza. Beethoven foi um erro perfeito.
*
Por pudor sou impuro.
*
O branco me corrompe.
*
Não gosto de palavra acostumada.
*
A minha diferença é sempre menos.
*
Palavra poética tem que chegar ao grau de brinquedo para ser séria.
*
Não preciso do fim para chegar.
*
Do lugar onde estou já fui embora.

FIM

(Barros, Manoel. Livro sobre nada.2a. ed.Rio de Janeiro: Record, 1996.)

Deixe uma resposta